segunda-feira, junho 30, 2008

DEPECO X SBC-DEPECO


57% DOS LEITORES VOTANTES DO BLOG CONCORDAM PLENAMENTE COM O CONGRESSO DEPECO JUNTO COM A SBC.
7% SÃO PARCIALMENTE FAVORÁVEIS.
ENTÃO 64% APROVA A MUDANÇA, CONTRA 32% CONTRÁRIOS.
SENHORA PRESIDENTE MÁRCIA BARBOSA, OUÇA SEUS SÚDITOS! OU FAÇA UMA PESQUISA DESSA POR VOSSA CONTA!

Teste Cypress by PHMED.


Notas de 1 a 5 (ruim,regular,bom,muito bom, ótimo)
Local: ECHOTALK - Setor de Ecocardiografia.

Preço:5
Teclado:4
Rapidez:4
Bidimensional:4
Colordoppler:3
Doppler contínuo:3
Tela:3

Média: 3,7
COMENTÁRIOS: Um aparelho transportável com bom preço e histórico. Imagem muito boa para um aparelho móvel. Grande número de sondas disponíveis. Assistência técnica reconhecida e boa.

sexta-feira, junho 27, 2008

7 dias para aprender Ecocardiograma?



Alguns leitores pedem curso intensivo de Ecocardiograma, como o abaixo, oferecido para Julho por outro serviço, que aborda os temas todos em 7 dias.
Temas Abordados:
- Ecocardiograma normal
- Função ventricular
- Miocardiopatias
- Doença coronária
- Valvopatias
- Cardiopatias congênitas
- Conceitos de ecocardiografia transesofágica
- Aulas práticas: realização de exames com diferentes graus de dificuldade.

Ou eu estou louco, ou é impossível ensinar ecocardiografia em 7 dias!
A Sociedade Brasileira de Cardiologia estabelece o nível I, estágio inicial para quem quer fazer ecocardiograma, em 150 exames.
Esta escrito e é simples assim:
A SBC só considera válido cursos em que o aluno REALIZA no mínimo 150 exames.
Está na diretrizes, lá na www.cardiol.br
Mas a multidão da foto acima, faz fila para se inscrever em cursos intensivos.
Nós não.
Não vendemos ilusão, ensinamos um método.

Uma belíssima placa de carótida comum!

video

Teste MyLab30 Esaote


Notas de 1 a 5 (ruim,regular,bom,muito bom, ótimo)
Local: ECHOTALK - Setor de Ecocardiografia.

Preço:5
Teclado:4
Rapidez:4
Bidimensional:4
Colordoppler:3
Doppler contínuo:3
Tela:3

Média: 3,7
COMENTÁRIOS: Um aparelho muito bom, bom preço. Imagem muito boa para um aparelho móvel. Vale salientar o uso variado e expansível. Assistência técnica reconhecida como boa.

Uma avaliação estatística para cada verdade.



O estudo abaixo supostamente mostrou vantagem do score de cálcio sobre a íntima média, para eventos cardio-vasculares.
Veja na tradução, que fizeram uma análise inédita e única das medidas da IMT especialmente para esse artigo.


Coronary Artery Calcification Compared With
Carotid Intima-Media Thickness in the Prediction
of Cardiovascular Disease Incidence
The Multi-Ethnic Study of Atherosclerosis (MESA
Arch Intern Med. 2008;168(12):1333-1339

metodos:
In addition, for this article, we created a composite
z score for overall maximal IMT by summing the values of the
2 carotid IMT sites (if both were measured) after standardization
(subtraction of the mean and division by the SD of each
measure) and then dividing by the SD of the sum. If only 1 of
the 2 measures was available, it was used. The resulting variable,
hereafter referred to as z score maximum IMT, has amean
of 0 and an SD of 1.
(Além disso, para este artigo, nós criamos um compósito
z pontuação máxima global de IMT pela soma dos valores dos
2 carótida IMT locais (se ambos foram medidos) após a padronização
(subtração da média e de divisão pela DP de cada
medida) e, em seguida, dividindo com o SD da soma. Se apenas 1 de
2 a medidas estava disponível, era utilizada. A variável resultante,
a seguir designado z pontuação máxima IMT, tem amean
de 0 e um SD de 1.)

Hahaha.
Para fechar o "circo", coloco a figura de outro artigo que mostrou que score de calcio ZERO, isso mesmo, ZERO.
Foi igual a 16% de doença isquêmica significativa!!!!
A Combined Positron Emission Tomography/Computed Tomography Study
Circulation. 2008;117:1693-1700

Falando em carótidas... História do ateroma!

No átrio direito, imagens normais.

video

quarta-feira, junho 25, 2008

CARÓTIDAS: AGORA É PRA VALER.



CURSO DE ECOCARDIOGRAFIA INFANTIL.


O colega e aluno Heron solicita que haja uma expansão em nossos cursos.
Já estamos a caminho!
Primeiro faremos o curso de ecocardiografia infantil.
Abordagem mais do que obrigatória para quem quer ser um ecocardiografista completo e conduzir um serviço sem hesitação.
Já fiz milhares de exames em crianças, hoje estou mais concentrado em Stress e Carótidas.
Por isso convidamos duas experts no assunto para realizarem o curso:
Dra. Ana Paula Damiano e Dra. Renata do serviço de cardiologia e ecocardiografia do HC UNICAMP.
Não sou dado a modéstia mas, as duas sabem muito mais e podem ensinar pra valer!
Para o segundo semestre.

ATEROSCLEROSE = CALCIFICAÇÃO DO ANEL MITRAL?


Association of mitral annular calcification and aortic valve morphology: a substudy of the aortic stenosis progression observation measuring effects of rosuvastatin (ASTRONOMER) study
EUROPEAN HEART JOURNAL Volume 29(12), June 2008, pp 1542-1547
Estudo mostra correlação da calcificação do anel mitral com a estenose aórtica.
Aterosclerose acelerada na valva aórtica parece ser causa de estenose.
Será que a tão desprezada calcificação do anel mitral é marcadora de aterosclerose!?!?!

terça-feira, junho 24, 2008

Toshiba Xario na Cardio Unicamp


Hoje foram entregues os 2 Xario da Toshiba no ecocardio do HC UNICAMP.
Com sondas cardio adulto, infantil e transesofágica, 1 par.
Já usei o aparelho, inclusive hoje em teste com microbolhas no hospital estadual de Sumaré.
Pergunte a um radiologista e ele dirá, na maioria das vezes, que o melhor aparelho de ultra-som é Toshiba.
Pode -se salientar várias qualidades:
É uma fábrica séria, com tradição na área.
Produz pesquisa de ponta, não compra de outras.
Monta seu aparelho com peças originais, ou garantidas.
Notadamente, dá poucos defeitos.
Defeitos:
Preço elevado.
Negociação com pouca margem.
Assistência técnica boa, mas cara.
é para se pensar...
Posso dizer que a qualidade da imagem é muito superior a alguns concorrentes!
X
Agora temos no serviço, 2 Xario, 1 Cv70 Siemens, 1 Vivid 3 e 1 Toshiba Powervision.
Os japonezes dominaram o ecocardio!
Enquanto isso, o Vivid 3 continua dando defeito na sonda de adulto...

segunda-feira, junho 23, 2008

Fizeram uma maldade comigo...


Estava tudo bem na nossa escola com relação a portáteis,
satisfeitos e convencidos de que o Vivid "e" era a melhor compra (custo/benefício).
Aí a PHMED resolveu deixar o Cypress a vontade paRa testarmos...
Tenho até que voltar atrás com um colega do interior paulista, pois estou convencido que o Cypres é um aparelho mais amplo, permite a expansão para hospitais e exames invasivos.
Uma bela máquina! É melhor você não testar, se não quiser ficar tentado a comprar!

Aprovados na prova DEPECO


Parabéns aos aprovados na prova do DEPECO desse ano:
Guilherme
Gustavo
Gabriel
Carlos
Laura
Quem mais?
Posso criticar o DEPECO mas ter o título de ecocardiografia foi e é muito importante. Vale a pena tentar.

Racional da Doença Cardio-vascular


Uma das abordagens mais inteligentes da doença cardio-vascular que eu já li.
Fiquei com a impressão que entender esse quadro, coloca o cardiologista em um nível de entendimento superior ao de muitos palestrantes.

quarta-feira, junho 18, 2008

F.A. e a função diastólica.


Optimal Noninvasive Assessment of Diastolic Heart Failure in Patients with Atrial Fibrillation: Comparison of Tissue Doppler Echocardiography, Left Atrium Size, and Brain Natriuretic Peptide
JASE Volume 21(6), June 2008, p 689–696
Conclusions: E/E' could be useful in identifying symptomatic diastolic HF and evaluating the functional state in the process of HF in patients with AF. Moreover, E/E' is able to assess the improvement of diastolic HF in AF.
Estudo revela valor da relação e/e' na análise da função diastólica em quadro de fibrilaççao ventricular.
Só não entendi o uso da área do átrio esquerdo, e não o volume atrial esquerdo, na comparação.

Como quebrar seu convênio em alguns anos...



R$ 240,00 Ecostress
R$ 1.200,00 Cintilografia

2000 Cintilografias Unimed por ano.


R$ 39.840,00 166 Ecostress
R$ 199.200,00 166 MN
R$ 159.360,00 Déficit mensal

R$ 1.912.320,00 Déficit ao ano

Você já fez as contas do prejuízo que causa à sua cooperativa quando opta por cintilografia miocárdica?
Aqui em Campinas, a conta é quase de 2 milhões por ano.
Para a mesma resposta diagnóstica.

MED NUCLEAR OU TOMOGRAFIA


A guerra continua.
Em todos os encontros de cardiologia, os radio-cardiologistas e médicos nucleares se enfrentam com acusações.
Hiroshima ou Nagasaki? Para quem foi afetado pela radiação, tanto faz!
Para ajudar, dou o endereço da página AQUI
onde se pode fazer o cálculo da exposição a radiação com esses procedimentos.
Veja como na melhor das hipóteses, uma centena de "rx de tórax" serão feitos.
O mais interessante é a argumentação, do tipo, "equivale a 14 anos de exposição normal a radiação ambiente"...mas a radiação ambiente também aumenta o risco de neoplasias!!!! E não pode ser evitada!!!
Ou você pode fazer um Eco com microbolhas sem se queimar!

segunda-feira, junho 16, 2008

Um dedo de prosa que faltou.



No último DEPECO, fiquei de conversar com o colega Reginaldo mas não o encontrei mais.
Peço que ele escreva para o email do blog para conversarmos!

CONTRASTE: DE VOLTA, E PAGO PELO CONVÊNIO

Só para esquentar os motores, casos antigos de contraste.
Os novos estão saindo do forno!


X

X

domingo, junho 15, 2008

Terason: a MIT(h) of Massachusetts Institute of Technology


Site da empresa

O leitor Antonio Paschoal pergunta se eu testei o TERASON.
É uma pena, mas não o vi.
Já sabia dessa máquina, fruto da pesquisa revolucionária do MIT.
Não sabia que já havia chegado ao Brasil.
O princípio, do portátil capaz de todos os exames, já está em uso pelas grandes empresas.
A Siemens comprou o projeto, aparentemente, e vai custar o preço normal deles.
Parece que essa usa notebooks comerciais da Apple, tendo um produto bom e de preço menor.
Vou escrever para a representação para agendar uma demonstração.
Por enquanto, veja esse texte em ingles AQUI

Quanto mais locais de medidas, maior o acerto?


>
X
No estudo com Rosuvastatina para impedir a progressão da IMT, usaram vários sites para medida.
Essa decisão melhora a avaliação da doença?
Hoje sabemos que a Aterosclerose é uma pan-arterite de baixo grau, assim, toda a IMT das artérias deve estar alterada!
Melhor seria aumentar o número de pacientes, pois a experiência com outros locais de medida como a interna e bulbo levam a frequência maior de erros.

quinta-feira, junho 12, 2008

Gordura do braço faz mal pro coração!


Upper Arm Circumference Is an Independent
Predictor of Left Ventricular Concentric
Hypertrophy in Hypertensive Women

MATOS-SOUZA JR, Kleber G. FRANCHINI, Wilson NADRUZ, Jr e cols
Hypertens Res Vol. 31, No. 6 (2008)

Em artigo recente mostramos que a circunferência aumentada no braço de mulheres leva a maior achado de hipertrofia concêntrica.
Como a gordura visceral é comumente colocada como prejudicial e a periférica colocada como protetora, nossos achados vão em sentido contrário.
A pior hipertrofia é a concêntrica! Parece não haver proteção quando o assunto é gordura.

quarta-feira, junho 11, 2008

Marcia Barbosa e o Determinismo


Determinismo é a doutrina que afirma serem todos os acontecimentos, inclusive vontades e escolhas humanas, causados por acontecimentos anteriores, ou seja, o homem é fruto direto do meio, logo, destituído de liberdade de decidir e de influir nos fenômenos em que toma parte.
O indivíduo faz exatamente aquilo que tinha de fazer e não poderia fazer outra coisa; a determinação de seus atos pertence à força de certas causas, externas e internas.

Será que Determinismo, explicado acima, fará a gestão da Presidente Márcia Barbosa inferior a esperada?
Sendo inteligente, simpática e competente, será capaz de reverter um departamento sem verba, cuja principal atração do seu congresso, é um programa de auditório?

O domínio da Echotalk


Agora a Escola Echotalk têm domínio próprio
www.echotalk.com.br
Ainda em construção, mas já mostrando o diferencial da escola.

Nossos professores não são professores de final de semana, quando não estão na escola, estão ensinando na UNICAMP ou fazendo pesquisas.
Nossas pesquisas e publicações são recentes, nada de 1998 ou antes...
Ensinar não é nossa atividade mais lucrativa, é a mais empolgante!

terça-feira, junho 10, 2008

Stress echocardiography in diabetes mellitus


AQUI
Todos os diabéticos são de risco elevado, segundo Framingham.
Mas evoluem de maneira diversa, como mostrou o HPS, por exemplo.
Leia no texto acima, como o Ecostress pode ajudar na classificação intra grupo de diabéticos.
Vantagem? Quem conhece melhor seu risco cardio-vascular, adere mais facilmente ao tratamento intensivo, tanto do ponto de vista do médico como do paciente(vide post).

segunda-feira, junho 09, 2008

VOLUME DO ÁTRIO ESQUERDO - MISSÃO


Left Atrial Volume
A Powerful Predictor of Survival After Acute Myocardial Infarction
Circulation. 2003;107:2207
Conclusions— Increased LA volume index is a powerful predictor of mortality after AMI and provides prognostic information incremental to clinical data and conventional measures of LV systolic and diastolic function.
X
Predictive Value of Normal Left Atrial Volume in Stress Echocardiography
J Am Coll Cardiol, 2006; 47:1024-1028
CONCLUSIONS: Normal resting LAVI (≤28 ml/m2) was strongly predictive of a normal stress echocardiogram. Left atrial volume index might be a simple means of identifying patients with low ischemic risk and should be further evaluated as a complement to the assessment of ischemic risk.
X
Long-term prognostic significance of left atrial volume in acute myocardial infarction
Am Coll Cardiol, 2004; 44:327-334
CONCLUSIONS: In patients with acute MI, increased LA volume, determined within the first 48 h of admission, is an independent predictor of five-year mortality with incremental prognostic information to clinical and echocardiographic data.
X
Left atrial volume provides independent and incremental information compared with exercise tolerance parameters in patients with heart failure and left ventricular systolic dysfunction
Heart 2007;93:1420-1425
Conclusion: LAV provides powerful prognostic information incrementally and independently of VO2. LAV, EF and VO2 can be used to build a risk prediction model, which can be used clinically.

sábado, junho 07, 2008

Campanha pela avaliação do volume atrial esquerdo


Left atrial volume as a morphophysiologic expression of left ventricular diastolic dysfunction and relation to cardiovascular risk burden
Am J Cardiol. 2002 Dec 15;90(12):1284-9.

Left ventricular (LV) diastolic dysfunction is prevalent in the community. Current assessment of diastolic function can be complex, involving Doppler evaluation of an array of hemodynamic data. The relation between left atrial (LA) volume and diastolic function, and between LA volume and cardiovascular risk and disease burden are not well known. In the present prospective study of 140 adults, mean age 58 +/- 19 years, referred for a clinically-indicated echocardiogram and in sinus rhythm, with no history of atrial arrhythmias or valvular heart disease, we determined the LA volume, LV diastolic function status, cardiovascular risk score (based on age, gender, history of systemic hypertension, diabetes mellitus, hyperlipidemia, and smoking), and cardiovascular disease burden (based on confirmed vascular disease, congestive heart failure, and transient ischemic attack or stroke). LA volume was found to correlate positively with age, body surface area, cardiovascular risk score, LV end-diastolic and end-systolic dimensions, LV mass, diastolic function grade, tissue Doppler E/E', tricuspid regurgitation velocity, and negatively with LV ejection fraction (all p <0.006). In a multivariate clinical model, LA volume indexed to body surface area (indexed LA volume) was independently associated with cardiovascular risk score (p <0.001), congestive heart failure (p = 0.014), vascular disease (p = 0.012), transient ischemic attack or stroke (p = 0.021), and history of smoking (p = 0.008). In a clinical and echocardiographic model, indexed LA volume was strongly associated with diastolic function grade (p <0.001), independent of LV ejection fraction, age, gender, and cardiovascular risk score. In patients without a history of atrial arrhythmias or valvular heart disease, LA volume expressed the severity of diastolic dysfunction and provided an index of cardiovascular risk and disease burden.

Estreitamento, Encurtamento, Alongamento, e Alargamentor


About left ventricular torsion, sex differences, shear strain, and diastolic heart failure
Gillebert, Thierry C.*; Van de Veire, Nico R.
European Heart journal Volume 29(10), May 2008, pp 1215-1217

No caso de insuficiência cardíaca com fração de ejeção diminuída, formação do coraçãoo helicoidal é substituída por uma câmara esférica causando uma menor capacidade de encurtar e alongar. Quando músculo cardíaco fibras adota uma formação espiral , prosseguir em direção ao ápice, 15% de fibras provoca um encurtamento 60% LV fração de ejeção. Se é fibra orientação horizontal ou transversal, os mesmos 15% de fibras produz apenas uma redução de 30% ejeção fraction.6 A anatomia subjacente da insuficiência cardíaca com fração de ejeção diminuída pode reflectir a evolução oblíqua apical em um laço mais transversal basal sem loop da arquitetura, com consequente diminuição função.

Complicado, mas muito interessante os estudos exprimentais derivados do Speckle tracking.

Um pouco de história...


Ano de 2000, começei a trabalhar no Delboni da av. Brasil em São Paulo.A empresa mudara de dono e começava a se reequipar.
Apareceu do nada um System Five novo, pois a GE fornecia as máquinas do Delboni, e acabara de comprar a Vingmed, revolucionária empresa de máquinas de ecocardiografia.
O aparelho tinha segunda harmõnica, um Doppler perfeito e color sensacional.
Ainda tinha color tecidual, Doppler tecidual em preset, gravava clips na base, que era um APPLE!
Não acabou, tinha também reconstrução de bordas 3D,reconhecimeno radial da motilidade e , surprendam-se, power doppler tissue até no transesofágico!
Na época, a diretora atual da empresa era técnica de aplicação, passou um bom tempo tentando me ensinar a usar todos os recursos da máquina.
Sentia-me como um estudante que havia ganhado uma FERRARI, ganhava do Alexandre Murad para me divertir...
Bons tempos.
Essa semana me ofereceram um System Five por 40.000 reais e 5 sondas.
Deu muita vontade de comprar, pena que realmente não preciso.

quarta-feira, junho 04, 2008

TÁ NA LISTA DA ANS, É OBRIGATÓRIO!


Ecocardiografistas de todo o Brasil: Uni-vos!
Antes de torrar seu dinheiro em um novíssimo aparelho com o ainda não comprovado para prática clínica Strain Rate (vide post abaixo), prepare-se para o maravilhoso mundo da imagem com alta definição!
O contraste de microbolhas é de pagamento obrigatório.
É simples assim, todos os exames que constam na lista da ANS são de realização obrigatória pelas operadoras, passível de multas altíssimas se não cumprir.
Faça o exame e mande a conta para a seguradora!
Nada de aparelhos com pulso invertido ou outras firulas, segunda harmônica e bom senso bastam!

P50 Siemens


Parece que a briga dos portáteis vai esquentar.
A Siemens lançou um portátil de verdade, que parece ser o top.
No Brasil, a Acuson já foi a melhor empresa de aparelhos de ecocardiografia. Como Siemens, sumiu um pouco.
Mas a fama da Acuson fora do Brasil ainda é muito boa.
vamos esperar para ver.

Cardioscópio de bolso? P10 Siemens


Sim,
inventaram um aparelho para ecocardiograma que cabe no bolso do jaleco!
Parece que não têm Dopppler, sendo mais uma ferramenta rápida para análise das câmaras.
Gostei! No consultório faria muito sucesso!
Veja aqui

Cypress Siemens: agradável surpresa.


Agradável surpresa com o teste do Cypress que eu fiz.
O pessoal da PHMED passou aqui para mostrar.
Mais pesado que o Vivid "e" mas bem completo.
Aparelho rápido e de qualidade de imagem e Doppler, com várias sondas.
Um aparelho excelente para um hospital ou trabalho em várias clínicas grandes.
Tem ecostress! Pelo preço oferecido pode ser a melhor compra do mercado.
A assistência não seria da Siemens, mas da empresa PHMED.
Já precisei deles no passado e corresponderam.
Agora, no Brasil, bom mesmo é não precisar de assistência técnica!

segunda-feira, junho 02, 2008

ANS OBRIGA OPERADORAS A PAGAREM O CONTRASTE DE MICROBOLHAS!



Nova resolução da ANS coloca o exame com contraste de microbolhas como de realização e pagamento obrigatórios, sem direito a choro!!!

ECODOPPLERCARDIOGRAMA COM CONTRASTE INTRACAVITÁRIO
ECODOPPLERCARDIOGRAMA COM CONTRASTE PARA PERFUSÃO MIOCÁRDICA

Página 125:

AQUI

domingo, junho 01, 2008

Simpósio Meteoro de Contraste de Microbolhas



E o destaque do simpósio de microbolhas no DEPECO 2008 foi:
Dr. Claudio Tinoco, da Medicina Nuclear!!!!
Simples, direto e calmo, focou nas vantagens amplamente documentadas do exercício sobre o stress farmacológico.
Sem atacar as microbolhas, mostrou as vantagens da perfusão vista ao exercício, como na cintilografia.
Como na mesa não havia ninguém que entendesse de eco com esforço, reinou absoluto.
Sobrou para a ecocardiografia, apenas a elegância e simpatia da Dra Ana Camarozano, o que não é pouco!

Último congresso DEPECO em separado. Proposta Rêmora


Votação no blog revela que só 15% dos leitores são ecocardiografistas em tempo integral, 85% o são em menos de 80% do tempo e 47% nãos fazem ecocardiografia em mais da metade do seu tempo.
Por que fazer um congresso em separado? São cardiologistas, em sua maioria, os frequentadores do DEPECO.
Deslocamento, gastos, prejuízos para assistir um congresso que poderia ser, e é, apenas um simpósio.
De fato, na Sexta fui a Curitiba para um Simpósio de Síndrome Metabólica que tinha mais gente que o DEPECO!
As vezes é mais sábio recuar para voltar a ser interessante.
Proposta: Congresso DEPECO no formato Simpósio, junto com o congresso brasileiro de cardiologia.
Muito melhor que juntar com a cintilografia miocárdica e ressonância!
É melhor ser Rêmora que Sardinha!

Strain Rate: ainda longe das clínicas.


No congresso, várias empresas vendiam aparelhos com Strain Rate, como se fossem essenciais para o uso de qualquer ecocardiografista.
Não é isso que está escrito, em vários artigos, inclusive no abaixo descrito, do Division of Cardiology, Johns Hopkins University, Baltimore, Md.
Leia com atenção antes de por a mão no bolso. Quer gastar? Compre um 3D.


Contemporary Reviews in Cardiovascular Medicine

Circulation. 2007;116:2597-2609
Role of Tissue Doppler and Strain Echocardiography in Current Clinical Practice
Theodore P. Abraham, MD; Veronica L. Dimaano, MD; Hsin-Yueh Liang, MD
"Strain has been validated clinically with tagged CMR used as the standard. Some issues related to validation are worth noting. Most validation is performed with both a normal and a significantly abnormal population (eg, myocardial infarction), which results in 2 large, significantly separated clusters of data and consequentially high correlation between techniques. How this correlation translates into a clinically useful tool can only be addressed in large clinical trials with blinded analysis. Clinical studies yield lower correlations between ultrasound strain and CMR than those reported in experimental studies (r values of 0.40 to 0.50).103 Our (unpublished) experience in unselected patient populations has been similar."
"At the present time, tissue velocity and strain data appear to be of optimal value if the images are acquired carefully, analysis is meticulous, and the interpretation is judicious and balanced. To conclude, tissue velocity and strain echocardiography allow detailed interrogation of regional and global mechanics and offer substantial incremental information on myocardial function compared with conventional echocardiography. Both techniques characterize fundamental concepts in cardiac physiology and represent a paradigm shift in the application of echocardiography in clinical practice. Evidence is increasing that the information from these novel techniques will help with clinical decision making and the prediction of outcomes. Education in these new concepts, ample hands-on training, and improvements in imaging technology will help cardiologists gain familiarity with these techniques and better implement them in practice. Randomized and blinded studies in larger populations will help define their eventual role in clinical practice. Ongoing advances that reduce operator interaction may improve reproducibility and facilitate wider clinical use".