quinta-feira, março 05, 2009

Diário de um cucaracha 1


.
Até o final do primeiro semestre de 2008, criticar as multinacionais era considerado anacronismo, coisa de militante petista, retrógrado e sem valor.
Tudo era globalização, o mundo pertencia as grandes empresas, fazer uma máquina na China ou Cingapura era considerado modernidade.
O mundo privado era divino e responsável, o mercado se regulava e reclamar era coisa de gente chata.
Mesmo assim, empresas como a BMW, insistiam em manter a fabricação de suas máquinas sob o rígido controle de qualidade alemão.
Outras, eram obrigadas a recolher milhares de baterias feitas fora do Japão.
Controle de qualidade não é uma característica de um país em especial, mas de uma empresa especificamente.
.
Algumas grandes empresas de ultra-som, tratavam o mercado brasileiro como de terceira categoria. Tudo era terceirizado, o lucro vinha antes da imagem da empresa.
Mas era feio reclamar, só mesmo um blog ranzinza como o ECHOTALK para insistir nesse assunto...
.
Estamos em Março de 2009, soubemos da pior forma que a busca irresponsável do lucro levou a quebra geral do setor privado.
Não fosse o socorro com dinheiro público, o caos seria total.
.
O blog continua a receber histórias e mais histórias de descaso com os compradores de máquinas. Quebras precoces, demora em corrigir erros de fábrica, custo absurdo de manutenção...
.
Fabricamos agora os aparelhos na China, eles quebram antes de 6 meses, mas tudo bem.
No DIC 2009 teremos simpósios satélites luxuosos, das mesmas empresas que destratam o ecocardiografista. Vários negócios serão realizados em Fortaleza, promessas de imagens superiores e ausência de quebras serão feitas entre cafés e presenças ilustres.
Promessas que não serão cumpridas, como nunca foram.
.
O importante é que continua tudo muito bem...

Um comentário:

  1. Heron6:25 PM

    Para quem deseja conhecer bem os aparelhos da Philips é só visitar:
    www.neusoft.com. De US a RNM feita na China. O problema da é que esses caras colocam a marca deles num equipamento chinês e o preço triplica. Eles se Justificam dizendo que é pra manter a assistência técnica e administrativa dos escritórios.
    Por isso essa confusão capitalista, um monte de gente incompetente e ineficiente querendo gerenciar uma simples importação, porque o resto eles não sabem fazer. O envisor comprado direto da China chega aqui por menos da metade do preço que a Philips vende!
    Vale a pena pagar pelas grandes?!
    Esaote neles! China neles!

    ResponderExcluir

Comentários com críticas diretas a marcas e pessoas só serão publicados quando forem devidamente identificados